Seguidores

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Por quê?


Por que não posso ir à praia; ao cinema; no clube, circo ou praça? Por que não posso sair à noite com meus amigos? Por que não posso participar de outros conjuntos musicais? Por que tenho que sair do meu time de futebol? Por que não posso ser modelo; atriz; cantora? Por que não devo namorar com pessoas que não são da minha igreja? Por que não posso ouvir;cantar;dançar música secular? Por que..? Por que..? Por quê?
 
Essas perguntas eram comuns aos amigos da minha mocidade. Podem ter mudado um pouco, mas sempre existirão perguntas que os jovens farão, ou muitas vezes, esconderão. Tais questionamentos não são incentivados, então a mocidade não fica à vontade para se expressar.

O que acontece é que muitas vezes quando estas perguntas suscitam, está havendo um conflito entre o que sentem e o que aprendem; começam a questionar e a refletir, daí acabam concluindo que aquilo praticam não é bem aquilo que acreditam. Só que na maioria das vezes concluem errado porque não foram informados certo. Não convencidos das respostas, agem ao contrário para forçarem outras respostas.

Sim, a mocidade assume um comportamento, digamos, 'rebelde' e passam a fazer o que pediram para não fazerem, porque as respostas dadas foram falhas, insensíveis e imprecisas. Isto gera frustação nos jovens que, querendo agradar a Deus, pensam que estão desagradando. 

Como exemplo, participava de um time de futebol infantil, disseram-me que crente não joga bola e deixei o projeto. As respostas que tive nunca me convenceram; me arrependi de ter saído do time; algumas vezes joguei bola em ginásio onde os irmãos não podiam me ver, mas depois ficava com sentimento de culpa. Ainda hoje ensinam que não se deve jogar futebol; ainda hoje não me convenceram.

Aceitei muita coisa e me abstive de outras que não eram o que eu sentia. Quando entramos para a igreja aceitamos tudo sem questionar - Aceitamos para sermos aceitos. Queremos nos misturar, nem destacar nem ficar à margem, não queremos ser um 'corpo estranho no meio'; então aquelas práticas comuns assumimos também - O que fazem, fazemos. Primeiro seguimos o coletivo para depois pensarmos em nós como indivíduo.

A questão dos usos e costumes também confunde bastante. Nosso corpo é um templo e nosso viver um culto. Esse culto particular revela o que está no coração, deve ser com convicção, não pode ser imposto nem contradizer nossa razão, é o que a Bíblia chama de culto racional (Rm 12:1). 

Antes bastava dizer para a mocidade fazer, ou mandar para acatar. Era ensinado nas reuniões - "A mocidade não pode ir à praça" - e a mocidade não ia à praça. "Ao circo ou clube" - e não iam ao circo ou clube. Agora, não basta falar, tem que explicar. Os ensinamentos não são mais acatados sem questionamentos.

"Deus não se agrada"; "Isto é do mundo"; "Não cabe aos santos" - correspondem a um porque sim ou porque não, mas isto não é resposta. Nossos cooperadores passaram pelo processo de não perguntar, por isso alguns deles não são habilidosos para responder. Quando alguém começa a questionar muito, se esquivam - "No tempo certo Deus te esclarecerá". Isto quando não dão respostas absurdas - "Você ainda não entendeu o que é essa graça"; "Precisa se converter e pedir perdão".

Para saber responder e preciso antes aprender ouvir . Jesus conhecia a mente e o coração dos homens, mas sempre dava a oportunidade para se expressarem: "E vós o que pensais"; "O que dizeis dessas coisas". Uma vez por mês nas RJMs é feito perguntas à mocidade; não deveria ser o contrário?"Eu te Louvarei, Senhor, de todo o meu coração" (Sl 138); Descubra, então, o que está no teu coração.

Perguntar não ofende;
Responder não dói;
Uma dúvida é saudável;
Um 'por quê' faz parte;
Ouvir enobrece;
Refletir faz bem;
Pensar é existir.

9 comentários:

  1. A dificuldade em responder perguntas do tipo está no dogmatismo abundante no nosso meio. O PODE ou NÃO PODE simplesmente não funciona mais em tempos modernos por causa de uma coisa chamada INFORMAÇÃO. Todo PODE ou NÃO PODE cai inevitavelmente no PORQUÊ e é justamente aí que o pastor (aquele que aconselha) deve buscar sabedoria para responder à luz da Palavra.

    Não há mistério, não há dificuldade. Pela Bíblia tudo fica fácil. Se buscarmos de Deus luz entenderemos o que é um comportamento adequado para um cristão. Andar segundo o padrão de Deus e buscar a santificação é um exercício voluntário de fé - e não uma imposição fiscalizada pelos ministros da igreja (outro erro frequentemente cometido). O desejo de andar com Deus vem pelo amor ao Senhor e não pelo temor aos homens. Viver segundo a Lei de Deus é um dom, uma graça, uma bênção e não um problema ou um peso. Escrito está: os Seus mandamentos [de Cristo] não são pesados.

    Em graça, na Paz de Deus.

    ResponderExcluir
  2. Aleluia! Sabias palavras!
    Deus te abençoe Ismael.

    ResponderExcluir
  3. OLha a mocidade aqui da minha comum, pelo o que eu vejo, a maioria não acata os "mandamentos" de: "não vá ao cinema", "não escute música 'do mundo'", "não jogue futebol".

    Toda vez que questiono a mocidade, principalmente os irmãozinhos batizados, o porquê de não poder ir ao cinema ou usar bermuda, até hoje ninguém soube me respoder.

    Eu sou recém convertida, rsrsrs, não conheço ainda os tais ensinamentos da igreja, mas acho que conheço mais a Bíblia que muita mocidade batizada e isso me basta pra saber o que eu posso ou não fazer.

    A maioria do pessoal não vai ao cinema e assiste filme em casa. Isso mostra que eles não deixam de ir ao cinema por temor a Deus mas porque os ensinaram assim.

    É bem difícil ser crente na mocidade, no meu caso acho que é mais difícil ainda porquê a minha família não é crente e os amigos (que não são crentes) estranham muito a minha mudança, tem gente até que desvia de mim quando me encontra na rua, rsrsrs.

    Sempre tenho vontade de perguntar sobre certas coisas que não entendo pra alguém que tenha mais entendimento e conheça bem a Palavra de Deus.

    Às vezes tenho a sensação de estar presa, com a irmandade me vigiando, mas não pode ser assim, nem comigo, nem com ninguém.
    Porque a Verdade nos liberta, não prende a ninguém.

    ResponderExcluir
  4. Oi Naylla, ApdD!
    As coisas mudaram bastante, antes nem televisão se podia ter. Gosto de filmes, alugo todo fim de semana, e DVDs como da Ana Paula Valadão e Aline Barros, ajudaram muito na educação dos meus filhos.Estou programando levar a Sariha no cinema, não fizemos este programa ainda.

    Os "costumes" mudaram na prática, mas na teoria os 'ensinamentos' continuam valendo. Essa mudança é devido a uma conscientização, mas dizem que é porque perdemos o temor de Deus.

    Os costumes são humanos, a doutrina divina;
    Os costumes são regionais, a doutrina universal;
    Os costumes são temporários, a doutrina eterna.

    ResponderExcluir
  5. Eita nóis questionamos mesmo, eu que o diga rsrs.

    Me lembro como se fosse hoje, saindo de uma reunião de mocidade começou a chover e ofereci carona ao rigoroso ancião que atendeu a reunião naquela tarde.

    Aproveitei a oportunidade e argumentei com o homem: "irmão você ensinou a mocidade que não se deve namorar muito, mais que dois anos, mas hoje a conjuntura não permite que seja assim, a mocidade precisa estudar, uma faculdade geralmente tem duração de 4 ou 5 anos e é muito cara. Casar também é caro, traz novas responsabilidades (contas), quem paga o estudo dificilmente consiguirá arcar com as depesas para casar-se e ter uma casa. Contei o meu caso na época, disse a ele que além de trabalhar eu ajudava na minha casa, eu estudo fora da cidade. A minha namorada, na época, estudava numa cidade, morava em outra e trabalhava em outra. Daí eu disse: "irmão é inviável que nos casemos em 2 anos quero ter condições de ter uma casa e uma vida financeira estável para isso acontecer."
    Ele simplesmente me repondeu: "Filho lá em cima (pulpito) a gente fala para os descabeçados, se você tem cabeça e não dá pra casar em 2 anos não tem problema. E a conversa se desenrolou, e ele falou francamente sobre tudo, até mesmo de sexo. Foi produtivo a conversa.

    Outra coisa que aconteceu e eu questionei na hora foi quando um cooperador que visitava minha comum depois do cultinho deu ensinamento a nós auxiliares dizendo que não podiamos elevar uma oração diretemente a Deus, como foi feito naquela manhã.
    Puxei o meu cooperador de canto e disse: "Querido isso não procede! A oração modelo, escrita pelo homem, mas inspirada por Deus que temos por infalivel Palavra de Deus, mostra que podemos sim elevar oração direto a Deus, ela diz: "Pai Nosso que estás no céu", disse também: "para sermos atendidos pedimos em nome de Jesus, mas não há o que impeça que a oração seja feita como foi nesta manhã". Meu cooperador se esquivou e disse: "Fique em paz, Deus esclarecerá" e agradeceu o outro cooperador pelo "ensinamento".

    Agora bonito mesmo foi uma reunião dos cooperadores, auxiliares e anciães de minha cidade, quanta pergunta foi feita, e quando as respostas não satisfaziam a mocidade retornava a pergunta enquadrando o que foi dito na palavra.

    Fui abusado, perguntei em voz alta sobre o material de apoio para nossos "estudo biblicos", foi tensa a reunião, mas muito produtiva, tanto para a mocidade quanto para os ministros.

    A descrição desta reunião estã no meu blog com o titulo "Relato de uma reunião com o ministério".

    Fiquem na paz de Deus!

    ResponderExcluir
  6. Esqueci...

    Certa vez, saindo da reunião de jovens e menores, na frente da igreja, uma criança de uns 7 anos mais ou menos, disse ao seu tio: "vamos na piscina". Não sei se é porque eu era auxiliar e a criança se manifestou na minha frente, mas o tio repreendeu aquele menino dizendo: "que crente é você, acabou de sair da igreja". Eu olhei para a criança e disse: "com esse calor, uma piscina cai bem. Aliás faz tempor que não nado e olha que adoro piscina".

    Queridos, me desculpa mas é impor demais que uma criança não se divirta, e nem se refresque em um dia de calor.

    ResponderExcluir
  7. Tenho filhos pequenos que frequenta reuniao de jovens ,recita, e quando vai visitar os parentes que nao sao crentes, os levao para o clube, nao acho certo, mais fica dificil repreeder as criancas. Poucos dias, o parente queria comprar um biquine para minha filha de 9 anos, fui obrigado a falar nao. Disse pra ela; banhar pode, mas de chort e blusa ,estou serto ou errado.

    ResponderExcluir
  8. A Palavra de Deus não muda. Portantos os ensinamentos(tirados da Bíblia)não mudam. Já que conhecem tanto a Bíblia,é verdade ou mentira que a Palavra de Deus não muda.
    Futebol não praticamos pois muitos praticam ele como viciados. Leia Apocalipse é verás que nenhum viciado entras no Reino de Deus.

    ResponderExcluir
  9. Mas até agora não achei nada dizendo sobre a proibição ao cinema... até hj não sei o motivo...

    ResponderExcluir

Sua participação é sempre valiosa.